O
projeto Inclusão Digital foi uma iniciativa de alguns professores da Faculdade
SENAC-Goiás no intuído de apresentar para pessoas que não tem condições financeiras o
mundo digital, ensinando informática básica para crianças, adolescentes e até
mesmo adultos.

Eu tive
participação no projeto inclusão digital como professora de informática básica
para a primeira turma do programa no turno vespertino todos os
sábados, tivemos uma ementa muito bacana apesar do período ser pequeno para
cada turma, mas como próprio nome já diz é apenas uma inclusão. No começo foi
muito estranho deparar com adolescentes que nunca tiveram contato com um
computador, aliás, alguns nunca nem ao menos tiveram oportunidade de ver um computador
de perto. Mas isso em nenhum momento foi um problema, todos que estavam ali
queriam aprender tudo que fosse apresentando em sala de aula.

Foto último dia de aula 27/06

Na
primeira aula do curso fizemos uma dinâmica e repassei a história do computador. Muitos ficaram
fascinados em saber o tamanho dos computadores antigos e como eles evoluíram em
tão pouco tempo.

Nas aulas de Word observei que sempre foi levantando pelos alunos a
paixão pelo futebol e também não sei se isso seria ruim a paixão por "torcida
organizada" tanto pelos meninos quanto pelas meninas, até aprendi a sigla "TEV", pois eles
sempre escreviam ou faziam desenhos sobre as torcidas nos exercícios solicitados. Uma das coisas que me chamou bastante a atenção uma das alunas com 17 anos, fazia 4ª serie e ainda
tinha problemas para ler e escrever, uma semi-analfabeta. Com ela tive alguns
problemas de convivência, pois ela usava essa deficiência como escuto, fingia
que não estava na sala e não participava das aulas como os seus colegas. Mas isso mudou na 3ª aula, comecei a dar mais
atenção a tudo que ela fazia e conversar com ela, mostrar que a dificuldade não
iria impedir o aprendizado e com isso ela sentiu confiança e começou a mostrar
um grande avanço em sala, mas infelizmente, creio eu por ser ainda imatura foi
proibida pelo namorado de freqüentar o curso e nunca mais participou das aulas. Uma pena! Outra
coisa interessante foi à curiosidade dos alunos nas aulas de internet, onde
destacamos sempre a segurança da informação. Eles ficaram encantados em saber o
quanto é importante preservar suas senhas e o quanto o uso da internet deve ser
feito com cautela, pois a internet tem tudo de bom e de ruim coisas maliciosas que podem
prejudicar tanto eles quanto o computador.

Enfim,
a experiência foi muito gratificante. Saber que você fez parte da inclusão
digital de uma pessoa é muito bacana (e eu não me canso de dizer isso).
Para
os próximos cursos, creio que a carga horária deveria ser maior para que a
ementa seja bem mais explorada e a fixação do conteúdo seja maior, pois na turma de
15 alunos somente "1" tinha computador em casa (Triste realidade).

Após alguns finais de semana no SENAC, hoje tivemos a formatura