kfc

No dia 20.3 eu assisti a transmissão do Employee Engagement Summit, evento organizado pela Microsoft. Foi um dos eventos recomendados pelos gerentes de produto quanto eu estava no MVP Summit em Redmond, WA no começo de março, fiquei curiosa e participei.

Durou uma hora, a dinâmica do evento foi fantástica. Eu achei muito bacana escutar CPOs, CIOs, VP de comunicação entre outros, falando sobre a experiência com adoção de soluções como MS Teams, Yammer para fortalecer a união e comunicação interna. Empresas grandes e globais como KFC, Mondelēz, Accenture, TSB Bank, etc detalhando seus cases e como foi a estratégia deles para engajar os colaboradores. O evento teve cerca de 8 milhões de impressões no Twitter de acordo com tyGraph Tweets.

Interessante saber que mesmo em diferentes culturas, a necessidade em compartilhamento de informações e mais integração dos colaboradores é uma dor natural das empresas hoje em dia e é certo que para toda melhoria deve haver uma mudança na cultura de como a empresa lida com as informações de forma dinâmica e como dar voz ativa aos colaboradores. Bom ouvir casos reais como no evento, pois podemos ter certeza que é possível tirar o projeto Digital Workplace do papel e colocar na prática.

Gostei muito de três pontos de vista sobre o que funcionou para eles:

  • Jonathan D’Souza, People Capability Director do KFC South Pacific (@KFCAustralia), foto dele está na capa desse artigo, comentou que ele está entre os 10% TOP colaboradores que mais usa o Yammer, isso incentiva novos membros a conectar e engajar, pois o ‘diretor’ está usando. Eles criaram alguns community managers para setores diferentes, consequentemente o grupo de trabalho recebe informações que são pertinentes ao dia a dia deles e que existe um responsável por impulsionar cada setor, é algo que já conhecia como os usuários chave. Em nenhum momento ele falou que o projeto deveria começar pelo setor de TI outro ponto que também aprendi na minha caminhada, a aderência de soluções de colaboração não deve começar pelo setor de TI, deve ser suportada pelo setor de TI.
  • Jason Warnke, Global Social Enterprise Lead at Accenture (@jwarnke), comentou sobre o uso do MS Teams na Accenture para atravessar a barreira de diferentes time zones dos colaboradores da empresa e uma frase que rodou o twitter com a hashtag do evento: #engagementsummit foi “True collaboration can only happen when everyone has a voice.”, escutem isso meus amigos de infra e segurança da informação. Tem algumas coisas que precisam ser liberadas para funcionar, na colaboração, rede social corporativa não poderia ser diferente, quando comentamos sobre rede social corporativa precisamos dar voz para os colaboradores para testar se funciona, faz um piloto antes de liberar para empresa toda. Se quiser liberar, tenha os moderadores corretos, crie boas políticas de uso e vamos para prática. Bloquear não é a chave, pois os usuários de negócio irão buscar ferramentas para atender a necessidade de conectar-se uns com os outros internamente e até externamente.
  • Céline Schillinger, Head of Quality Innovation & Engagement, Sanofi Pasteur (@CelineSchill), comentou como começaram a testar o Yammer em grupos de não mais que 25 pessoas, crescendo para mais de 100 rapidamente. Hoje a colaboração interna tem compartilhamento de como foi resolvido dificuldades (wins), ações tomadas e que o compartilhamento de conhecimento está fluindo em diferentes escritórios, em diferentes culturas, entre diferentes idiomas, fluindo em escala sem barreiras. Parece doideira né? mas, pode funcionar, funciona para um banco.

Eu sei que é muito bom escutar coisas boas ‘após a implementação’ de soluções. E que os obstáculos não foram 100% detalhados e que talvez não funcione para todos os cenários. Mas, talvez possamos coletar essas experiências para corrigir nossa atual jornada, caso ela já esteja em percurso ou para quem está pensando em como começar. Adicionar referências do motivo de seguir por um caminho que já funcionou para alguns é melhor. Na minha visão aderência de soluções como MS Teams, Yammer, OneDrive, SharePoint, Facebook business ou até Slack é um aprendizado constante e não terá um fim, pois as informações e a alimentação das soluções só funcionará se existir o famoso USO, o aprendizado e as correções precisam ser feitas on the fly.

Comenta aí se você concorda com minha visão ou se você tem uma experiência diferente com aderência de soluções que libera a voz dos usuários finais.

Se você quiser assistir a gravação do Employee Engagement Summit, aqui vai o link. Também postei esse texto no LinkedIn do meu perfil.

Abraços,

Sara Barbosa